Livros para 2015 – Parte I

“Um leitor vive mil vidas antes de morrer, o homem que nunca lê vive apenas uma.”

blog

Já estamos quase na metade do ano e até o momento eu não compartilhei com vocês as minhas leituras desse ano.

Confesso que nesse ano li bem pouco, em comparação aos dois anos anteriores, pois estou usando o tempo livre para escrever. E escrever toma muito mais do meu tempo do que  imaginava.

Bem… Espero que os resultados desse esforço logo, logo estejam prontos para vocês verem. É bem provável que no final desse ano minha primeira HQ seja impressa e publicada (quem sabe não estarei na CCXP 2015?) e logo vocês verão minha HQ fan-fiction do Demolidor que será publicada pela página do Estúdio UDES.

Espero que vocês curtam.

Os livros que li esse ano são dos mais variados temas. E preciso dizer: Muita coisa nova me surpreendeu positivamente!

Publicarei hoje os 05 livros que li entre Janeiro e Março de 2015. E assim que tiver um tempo entre um episódio e outro de Game of Thrones eu posto mais 04 livros (Abril à Maio).

Minhas notas

Continuarei falando apenas dos livros que gostei, porém achei legal testar algo novo no blog. Fiz uma escala de notas, que vai de 0 a 5 wookies. Porém é minha opinião pessoal, e mesmo que a nota seja baixa é por que não atingiu minhas espectativas, mas eu sei que o livro tem seus méritos, senão eu nem citaria.

E para quem quiser comprar o livro mencionado, é só clicar no título abaixo ou na foto. (menos Belas Maldições, que já está esgotado).

Vamos lá:

drunkwookie livros
Sinopse

Lito tem 10 anos e sonha com caminhões. Quando se concentra com muita força, tem certeza de ser capaz de mudar as condições do tempo. Mario, seu pai, está doente e quer de todas as formas criar uma memória positiva, que fique para seu filho. Juntos, eles partem numa viagem decisiva, pela primeira vez e, quem sabe, a última. Elena, a mãe, obcecada com a ideia da perda, mergulha em uma aventura capaz de desafiar seus limites morais. E, viciada em livros, não deixa de se deparar com sua própria vida no que lê. Em Falar Sozinhos, ao mesclar de forma cativante diferentes vozes e diferentes formas de narrar, Andrés Neuman, vencedor do Prêmio Alfaguara e eleito um dos melhores escritores em espanhol pela Granta, cria uma história arrebatadora sobre como as experiências de cada um são capazes de mudar nossas ideias sobre o tempo, a memória e os nossos próprios corpos. E como a leitura, e o sexo, podem se tornar poderosas armas de resistência.

 Autor: Andrés Neuman
 
Minhas impressões: O melhor livro que li esse ano. Falar Sozinhos é sensacional em todos os níveis. Desde o estilo de narrativa, que é bem peculiar, passando pela personalidade de cada personagem e terminando no tema abordado.
Há algo de Cormac Mccarthy no estilo, beirando Saramago. Eu não sei explicar, pois não sou um acadêmico de letras. Mas vocês entenderão o que quero dizer quando lerem.
Você demora um pouco para se acostumar com a narrativa, mas de repente está dentro da história. Você é Lito, você é Elena, você é Mario. É sensacional ver como você entra na história.
Um livro que traz uma realidade crua. Traz emoções, acontecimentos, virtudes, defeitos, que não gostamos de aceitar que existem em nós. Entre elas estão: Morte, Traição, Amor, Felicidade, Insegurança. O livro é lindo. De verdade.
Há momentos que achei um pouco forçado, principalmente nas ações da mãe do garoto, mas entendi a mensagem que o autor gostaria de passar.
Gostaria de conversar com que lesse esse livro. Quero saber opiniões.
Frase do livro

Sempre acreditei que os livros, todos, falavam da minha vida. Que sentido teria ler sobre uma coisa que já não me importa.

Nota Final
 nota 4,5

02 – Belas Maldições

IMG_9913Sinopse

Conforme as Profecias de Agnes Nutter, o mundo vai acabar num sábado. No próximo sábado, e antes do jantar. O que é um grande problema para Crowley, o demônio mais acessível do Inferno e ex-serpente, e sua contraparte e velho amigo Aziraphale, anjo genuíno e dono de livraria em Londres. Eles gostam daqui de baixo (ou, no caso de Crowley, daqui de cima). Portanto, eles precisam encontrar e matar o Anticristo, a mais poderosa criatura do planeta. O problema é que o Anticristo é um garoto de 11 anos e, ao contrário de tudo o que você já tenha visto em algum filme, é um menino que adora seu cachorro, se importa com o meio ambiente e é o filho que qualquer pai gostaria de ter. Além, claro, de ser indestrutível. E, como se ainda não fosse o bastante, eles ainda têm de lidar com o domingo…

Autor: Neil Gaiman e Terry Pratchett

Minhas impressões: Eu quebrei a regra imposta por Neil Gaiman sobre releitura de livros. Ele diz que não se deve reler um livro. Pois as sensações e experiências que você teve, ao ler qualquer livro que seja, também são somadas com tudo o que você estava vivendo naquele momento.

Eu entendo… eu também acho isso… mas a culpa é dele, por escrever livros tão divertidos e espetaculares. Nunca li apenas uma vez um livro ou conto dele.

Bem, esse livro deve ser lido por conter uma ótima história, mas também deve ser lido pois foi escrito à duas mãos. Neil Gaiman e Terry Pratchett são os responsáveis por Belas Maldições.

Eu fico imaginando como se deu essa criação. Como é escrever um livro com outro autor.

Infelizmente assim que terminei de reler esse livro, soube que Sir Terry havia falecido. Uma pena termos perdido uma das mentes mais brilhantes da Inglaterra.

Quem ainda não leu nada dele, deve imediatamente ler e ver que podemos rir muito lendo uma frase apenas do livro.

Ele é o criador da série Discworld, que para mim é uma das melhores séries já escritas. Se O Guia do Mochileiro das Galáxias é tido como uma série espetacular, acho Discworld ainda melhor.

A narrativa é bem diferente e flui de uma maneira interessante, regada com sarcasmo e ironia. Para quem já conhece a obra desses dois autores, pode perceber a essência de cada um deles.

O livro demora para engrenar no início, até você acostumar-se com o que o livro está disposto a contar. Depois é uma alegria pura.

Você não vai parar de rir com a ironia, o sarcasmo e com as situações do nosso dia-a-dia vistas pelo prisma de um anjo e um demônio.

Eu indico para todos aqueles que estão a fim de ler algo divertido, mas levando em consideração que é humor britânico. Muitos amam, poucos odeiam.

Eu? Sou fascinado.

Frase do livro  

Deus age de formas extremamente misteriosas, para não dizer tortuosas. Deus não joga dados com o Universo; Ele joga um jogo inefável de sua própria criação, que poderia ser comparado, da perspectiva de qualquer um dos outros jogadores, a estar numa obscura e complexa versão de pôquer numa sala completamente escuro, com cartas em branco, por apostas infinitas, com um crupiê que não lhe diz quais são as regras, e que sorri o tempo todo.

Nota final

nota 5

03 – As Mentiras de Locke Lamora

drunkwookie livros
clique aqui

Sinopse

Franzino, azarado no amor e sem nenhuma habilidade com a espada, Locke Lamora é o homem por trás do fabuloso Espinho, cujas façanhas alcançaram uma fama indesejada. Ele de fato rouba dos ricos (de quem mais valeria a pena roubar?), mas os pobres não veem nem a cor do dinheiro conquistado com os golpes, que vai todo para os bolsos de Locke e de seus comparsas: os Nobres Vigaristas.

O único lar do astuto grupo é o submundo da antiquíssima Camorr, que começa a ser assolado por um misterioso assassino com poder de superar até mesmo o Espinho. Matando líderes de gangues, ele instaura uma guerra clandestina e ameaça mergulhar a cidade em um banho de sangue. Preso em uma armadilha sinistra, Locke e seus amigos terão sua lealdade e inteligência testadas ao máximo e precisarão lutar para sobreviver.

Autor: Scott Lynch

Minhas impressões: Se eu tivesse lido esse livro há um bom tempo atrás, quando estava fascinado por livros de aventura, esse teria sido meu livro favorito, ao lado de O Nome do Vento.

E talvez Harry Potter não teria tanto espaço na minha memória. Não estou dizendo que esse livro é melhor que Harry Potter, mas há algo nele, algo mágico, que toca fundo.

O garoto também é órfão, porém age de uma maneira bem diferente de Harry, e isso me agradou. O menino que se virou na vida com sua inteligência única.

Scott Lynch criou um mundo vivo, pungente, agradável e decadente, fascinante e duro. Tudo isso ao mesmo tempo, e tudo ficou coeso, mesmo sendo apresentado de uma forma um pouco corrida.

Gostei muito do protagonista, entretanto gostei muito mais de seus amigos que compõem os “Nobres Vigaristas”.

A história é boa, porém ela demora muito para engrenar. Lembro que cheguei a largá-lo por algumas semanas, e só depois voltei. E quando o livro começou a ficar interessante, eu não consegui parar de ler.

No final eu gostei de toda a trama mas foram as “mentiras” de Locke e sua capacidade de se dar bem que mais me fascinaram. E por fim, percebi que foram as “mentiras de Locke Lamora”, que superaram o próprio enredo e o mundo criado por Lynch.

O final desse livro foi suficiente para mim e assim me despeço de Locke e seus amigos.

Como assim?

A série de Locke Lamora tem continuação. O segundo livro se chama Mares de Sangue, e o terceiro é o República de Ladrões e haverá mais livros.

Porém, eu não vou ler os outros livros. Me envolvi com a trama e os personagens de tal forma, em As Mentiras de Locke Lamora, que já é o suficiente. Vi tudo o que eu gostaria de ver sobre esse Mundo.

De qualquer forma, indico esse livros para vocês, e quem continuar lendo a série, me digam o que acharam.

Nota Final

nota 3,5

04 – O Fim da Eternidade

drunkwookie livros
clique aqui

Sinopse

Andrew Harlan é um Eterno: membro da classe dominante do futuro. Seu trabalho é viajar pelos séculos monitorando e alterando realidades, corrigindo assim os erros dos homens. A humanidade estava a salvo. Até que Harlan comete o pior dos pecados: apaixona-se. Tido como um de seus melhores trabalhos, este clássico nos mostra mais uma vez por que Asimov é considerado o grande mestre da ficção científica moderna.

Autor: Isaac Asimov

Minhas impressões: Esse livro veio para mim em um momento perfeito. Estava querendo ler algo diferente e sobre um tema que eu gostasse. Viagem no Tempo.

Sou um grande fã de Doctor Who e ver Harlan, um Eterno, viajando pelo espaço-tempo foi um bálsamo. Era o que eu precisa ler. Obrigado pela indicação, Susie!

O livro é muito bom. Desde o início você se sente preso à história e se não prestar atenção, termina o livro e sua cabeça estará explodindo com um milhão de ideias, dúvidas, teorias!

Esse é o melhor livro sobre viagem no tempo que eu já li. Asimov sabe muito sobre o tema.

Ano passado li a trilogia Fundação e havia ficado maravilhado com Isaac Asimov. Esse livro, O Fim da Eternidade simplesmente confirmou que Asimov é um dos meus autores favoritos. E é por isso que Eu, Robô está na lista.

Indico esse livro para quem está procurando um bom livro para ler. Sem continuações, sem trilogias, sem compromissos.

Apenas um bom livro que deixará você pensando sobre a vida e o futuro por um bom tempo.

Frase do livro

É enfrentando as grandes dificuldades que a humanidade consegue alcançar com mais êxito os grandes objetivos. É do perigo e da insegurança que surge a força que impulsiona a humanidade para novas e grandiosas conquistas. Você consegue entender isso? Consegue entender que, ao afastar as armadilhas e vicissitudes que perseguem o homem, a Eternidade não deixa que ele encontre suas próprias soluções, boas e amargas, soluções reais que chegam quando a dificuldade é enfrentada, não evitada?”

Nota Final

nota 5

05 – A Música do Silêncio

drunkwookie livros
clique aqui

Debaixo da Universidade, bem lá no fundo, há um lugar escuro. Poucas pessoas sabem de sua existência, uma rede descontínua de antigas passagens e cômodos abandonados. Ali, bem no meio desse local esquecido, situado no coração dos Subterrâneos, vive uma jovem. Seu nome é Auri, e ela é cheia de mistérios.

A música do silêncio é um recorte breve e agridoce de sua vida, uma pequena aventura só dela. Ao mesmo tempo alegre e inquietante, esta história nos oferece a oportunidade de enxergar o mundo pelos olhos de Auri. E nos dá a chance de conhecer algumas coisas que só ela sabe…

Autor: Patrick Rothfuss

Minhas impressões: Para aplacar a ansiedade da espera pelo terceiro livro de A Crônica do Matador do Rei eu recebi o livro de Auri com muita expectativa.

Eu adorei o modo como Patrick Rothfuss decidiu escrever. Desde o início vemos na narrativa o modo complicado de Auri pensar. Ela pensando nos locais do subterrâneo como se fosse seres vivos, com suas manias, gostos e excentricidades.  É estranho no início.

Mas depois, se lembrarmos de como Auri e Kvothe conversam, passamos a entender melhor o texto e aceitar o modo de escrita.
Rothfuss conta uma história sobre Auri e nos dá mostra um pouquinho de como ela pensa.
Algo que me cativou foi sentir a leveza de Auri. Correndo para cá e para lá por locais estranhos, escuros e perigosos e mesmo assim, transmitindo uma sensação imensa de segurança.
Talvez o particular modo de Auri de ver as pequenas coisas do dia-a-dia não faça sentido para nós, mas para ela faz total sentido. E é assim que o livro se torna bom.
Porém, não se assustem com minha declaração… Eu não terminei de lê-lo.
Todos meus elogios acima, continuam valendo. Gostei do livro, porém, Rothfuss deveria ter escrito um conto curto. Acredito que entre 50 a 60 páginas, ele conseguiria nos dar uma noção pela sobre a personalidade de Auri e finalizar a história.
O livro tem 127 páginas, e se torna tão repetitivo que eu não consegui terminar de ler. Pode ser que eu volte ler depois. E me surpreenda novamente com o jeitinho de Auri.
Nota Final
nota 2,5
Bem… Dos livros lidos apenas a leitura de A Música do Silêncio foi abandonada, mas vale a pena ser citada.
Nesse ano comecei também Cemitério de Dragões do Rafael Draccon, porém realmente desisti, por não achar nenhum elemento que me fizesse gostar. Decidi não fazer resenha por não muito o que dizer.
E vocês já leram algum desses livros? Em 2015 quantos e quais livros leram até o momento?

10 comentários sobre “Livros para 2015 – Parte I

  1. O fim da eternidade! Bela escolha!
    Descobri Asimov por acaso, e me apaixonei pelas suas obras. Já deixo minha recomendação de uma das obras dele: Nemesis.

  2. Bah, “A Música do Silêncio” eu achei interminável, que livrinho bem ruim. Tem uma ou duas frases que eu achei interessante (depois compartilho contigo inbox, se quiser), mas tirando isso achei bem “meh”.

    Já quanto aos livros do Scott Lynch, sugiro que tu continue a série. Tem muita coisa boa e interessante por vir!!

    Abraço.

  3. Li “Eu, robô” no app Bookviser Reader (e-pub) do meu Lumia. Li o texto num versão da década de 80, sei lá! Demorei pra engrenar a leitura, larguei pela metade, para quando retornar acabar lendo em menos de uma semana com muita dor no pescoço (rs). O livro é muito bom, Isaac Asimov é fascinante e meu próximo livro será “O Despertar dos Deuses”. De fato continuarei a ler Asimov e lerei ao menos a Trilogia “A Fundação”

  4. Eu adorei ‘A Música do Silêncio’ porque me acho muito parecida com a Auri, acho que quem tem TOC e gosta das coisas em seus devidos lugares sabe o que ela sente kkkk e a vida dela não é das mais agitadas por isso a história corre mais devagar, mas é muito boa
    Vi críticas muito boas a respeito de ‘As Mentiras de Locke Lamora’ e mesmo em dúvida pra comprar resolvi dar uma lidinha na história em PDF na internet e meu Deus, quando eu vi já estava quase na metade do livro! Parei e corri pra fechar a compra na Submarino e comprei logo os três.
    Sobre Neil Gaiman, um dos meus autores favoritos, apesar de eu ter lido apenas uma de suas obras ‘Stardust’ kkkk mas pretendo ler muitas outras.

  5. Sobre Raphel Draccon, acho que vale a pena ler Dragões de Éter antes(se vc já n leu). Bem. Eu curti demais a história, e para quem é escritor, vai sentir um significado maior ainda ao ler os três livros. Se uma palavra pudesse definir um livro, para esse ela seria: Lindo!

    Eu sei que vai tocar para os escritores, desenhistas e roteristas pq sou um escritor e volte e meia ele faz uma relação tão maravilhosa entre Criador e sua cria, que vc se encanta…

    “Obrigado por nunca; nunca acordar”

    1. Olá, Matheus.
      Eu comecei a ler, mas parei. Retornarei a leitura, O Cemitério dos Dragoes não é ruim… Apenas não estou mais com vontade de ler sobre anoes, dragões, fuzileiros navais e magia…
      Algo assim

Obrigado!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s