Vale a pena ler "O Nome do Vento"- A Crônica do Matador do Rei

Há três coisas que todo homem sensato deve temer: o mar durante a tormenta, as noites sem lua e a ira de um homem gentil. O Nome do Vento – capítulo 84, Audácia

Quando me deparei com “O Nome do Vento” na estante de uma livraria há um bom tempo atrás, eu olhei para aquela capa do livro, vi a arte de Simonetti e pense: Ótimo desenho, mas será bom o conteúdo?

kvothe

Aquela máxima ensinada por nossos pais de “Não se julga um livro pela capa” acabou sendo absorvida por mim, mas de maneira inversa.

Sei que eles queriam me dizer que, as vezes, uma capa feia pode esconder um belo livro. E concordo com eles.

Só que depois de um tempo eu comecei a julgar um livro pela capa. infelizmente.

Capas muito bonitas me davam a sensação de livro ruim. Eu achava que uma capa muito bonita era uma tentativa de vender um livro ruim.

Quando vi O Nome do Vento imaginei que seria mais um livro infanto-juvenil como vários outros, intermináveis.

Eu havia prometido que não iria mais acompanhar sagas enormes, séries imensas.

Por que?

Eu sofri com Harry Potter. Foram 7 longos anos aguardando livro após livro.

As Cronicas de Gelo e Fogo me deixam depressivo quando paro e penso que só saberei o final daqui alguns bons anos.

As Cronicas Saxônicas é meu carma. Bernard Cornwell insiste em envelhecer mas não tem coragem de terminar a jornada de Uthred. Enfim… eu não dei a atenção devia a As Cronicas do Matador do Rei naquele momento.

Depois de alguns meses um amigo do twitter, vendo meu desanimo em aguardar “Os Ventos do Inverno“,  me indicou a obra de Patrick Rothfuss. “Você vai adorar” dizia ele.

Eu me mostrava resistente. Tanto pelo preço do livro, quanto pela quantidade de livros da série (três).

Também não me agradava a ideia de que o terceiro livro ainda não havia sido publicado.

Já aqui no blog, muitos leitores perguntavam a minha opinião sobre O Nome do Vento.

Bom… levando em consideração todos esses fatos, pesando os prós (muitos) e os contras (poucos) lá fui eu quebrar minha promessa… São só 3 livros, pensei comigo mesmo (mal sabia eu que quebraria essa promessa novamente, e de uma maneira nunca imaginada antes, falarei disso em um post oportuno).

O Nome do Vento drunkwookieblog

E foi assim que voltei ao mundo da fantasia, e foi assim que conheci Kvothe,e foi assim que eu decidi nunca mais deixar uma oportunidade passar.

O NOME DO VENTO

Sinopse: Da infância numa trupe de artistas itinerantes, passando pelos anos vividos numa cidade hostil e pelo esforço para ingressar na escola de magia, O Nome do Vento acompanha a trajetória de Kote e as duas forças que movem sua vida: o desejo de aprender o mistério por trás da arte de nomear as coisas e a necessidade de reunir informações sobre o Chandriano – lendários demônios que assassinaram sua família no passado.

nº de páginas: 656

publicado em: 2009

Primeiras impressões

Logo de início devo dizer que a história de Kvothe é muito intrigante e aliada ao modo como Rothfuss escreve, estamos diante de uma obra-prima. Sem exagero.

Daqui em diante, tentarei ao máximo não entrar em detalhes sobre a trama pois não quero dar nenhum spoiler.

evernote-camera-roll-20120926-100440

Arte

A capa é feita por Marc Simonetti, o mesmo artista que faz as capas de As Cronicas de Gelo e Fogo nas edições brasileiras.

A Editora Arqueiro deu um tratamento mais do que especial para a série. A folha é de ótima qualidade, e amarela. Eu prefiro páginas assim, pois eliminam boa parte da luminosidade na hora da leitura. Pode parecer um detalhe bobo, mas a leitura flui bem melhor com esse tipo de papel. E para um livro com 656 páginas, conseguir uma leitura confortável é vital.

Narrativa

Muitos de vocês, assim como eu, se preocupam com o modo que o autor narra os acontecimentos. Aqui você encontrará um tipo de narrativa interessante.

Patrick Rothfuss alterna entre a narrativa em 3ª pessoa e a narrativa em 1ª pessoa. O passado e o presente se apresentam de forma fluída. É como se você ouvisse uma história dentro de uma história. Uma espécie de “inception” literária.

Eu não me lembro de ter vivenciado isso em outro livro.

kvothe O Nome do Vento drunkwookieblog
Kvothe e seu alaúde

Você conhece o protagonista e logo está mergulhado no passado dele. O “mergulho” é tão profundo que você se esquece de que aquilo é o passado de alguém. E quando você está cada vez mais absorto na narrativa, você volta a tona, ao presente, respira e se prepara para voltar àquela história.

A narrativa se desenvolve de tal forma que você se sente ao lado do Cronista e de Bast. Vocês três ávidos para saber o restante da história.

Realmente a narrativa tem o poder de te atrair. É como uma simpatia conjurada por Kote (não deixe ele saber que eu citei isso, ele não gostaria de saber).

Mundo criado por Rothfuss

Lembram dos sicles, nuques e galeões em Harry Potter?

Aqui vocês encontrarão gusa de ferro, ocre, iota e talento.

Algumas falas dos personagens mostram uma espécie de cultura arraigada. São pequenos fatos que dão vida aos personagens.

O mapa ainda não é familiar para mim, mas creio que logo logo será assim como a Terra-Média Westeros e as cidades livres.

O Nome do Vento drunkwookieblog

As cidades tem suas rotinas, tem seus costumes e sua cultura bem arraigada. É interessante ver como é a vida em um bairro pobre, e como é a vida em um bairro mais abastado.

Isso reflete no modo de falar, se vestir e no modo como o indivíduo vê o mundo.

isso é importante (se não, vital) para que uma história consiga ganhar o status de épica. Rothfuss parece bem a vontade dentro de seu mundo. Demonstra conhecer cada detalhe de seu mundo, e não comete nenhum deslize, nem incoerência narrativa.

Esses são aspectos que eu levo em consideração quando leio uma história que tem como finalidade apresentar um novo mundo, um novo universo de fantasia.

Kote endireitou o corpo.― Escute três vezes, Bast.

Bast piscou uma vez e fez que sim. Kote falou com rapidez e clareza:

― Eu era guardião em Ralien, licenciado pela cidade. Fui ferido ao defender com sucesso uma caravana. Uma flechada no joelho direito. Há três anos. No verão. Um comerciante cealdo agradecido me deu dinheiro para abrir uma hospedaria. Seu nome é Deolan. Estávamos vindo de Purvis. Mencione isso como quem não quer nada. Entendeu?

Escutei-o três vezes, Reshi ― retrucou Bast, em tom formal.

―Vá. O Nome do Vento – capítulo 3, Madeira e palavra

Se muitos de nós ao ler ou ouvir a palavra “trouxa” fazemos referência à obra de Rowling, se ao ler “sir” lembramos da grafia alterada de “sor”, creio que incorporaremos palavras como: “latoeiro” em nosso vocabulário e nossa cabeça pensará em muitos significados quando ouvirmos/lermos a palavra “simpatia”, com a mesma facilidade.

O Nome do Vento drunkwookieblog
Tenho certeza que Kvothe será um personagem inesquecível de histórias de fantasia

É cedo falar, pois ainda há O Temor do Sábio para eu ler, e o 3º e ultimo livro da série, mas acredito que Patrick conseguirá criar um mundo sólido o bastante para ecoar por muito tempo.

Semelhanças com outras obras

Sempre que um autor se envereda no “mundo da fantasia” sua obra deve passar pelo crivo dos fãs do desse gênero literário. E é comum que fãs do gênero busquem a equivalência em outras obras. É assim entre Tolkien e Martin e creio que será assim com Rowling e Rothfuss.

É possível traçar alguns paralelos e encontrar semelhanças entre A Cronica do Matador do Rei, com Harry Potter.

Há uma grande proximidade ideológica entre as obras.

Não farei um quadro de semelhanças, por que não é essa a intenção, e nem farei um julgamento (qual é o melhor), por que o intuito do post é mostrar a vocês por que vale a pena se deixar envolver pelo mundo de Kvothe. Somente citarei alguns pontos onde a semelhança é grande, e consequentemente muito boa.

A magia reina nesse mundo. mas são poucos aqueles que conseguem usa-la. Aqueles que tem porpensão a serem arcanistas (e não bruxos) podem estudar na universidade, one há vários professores que ensinam matérias como Runas, Ficiaria, nomeação, Física, etc.

Se em Harry Potter temos diferentes personalidades, Hermione, Harry e Rony, em O Nome do Vento vemos todos defeitos e qualidades desses três personagens em Kvothe.

É sério… ele é uma amalgama de Harry/Rony/Hermione.

O Nome do Vento drunkwookieblog
O desenho é de Simonetti, mas não se refere à O Nome do Vento. Só que essa imagem reflete muito a infância de Kvothe

Mas não pensem que o garoto de cabelo vermelho se resume a isso. ele consegue ser muito mais. Muito.

Sou da opinião que a obra de Patrick Rothfuss se fortalece por trazer lembranças de outras séries igualmente boas.

Sei que iremos amar e odiar Kvothe até o final da série. Outros personagens, alguns professores tem personalidades marcantes, assim como em Harry Potter.

Duvido que vocês deixem de lembrar HP chegando atrasado a mais uma aula de Poções.

É necessário citar que o livro tem um teor muito mais adulto, se compararmos com os 4 primeiros livros de HP, e pelo final do primeiro livro percebo que a tendencia é ficar ainda mais adulto e sombrio.

Leiam e vocês entenderão o porquê.

Há outros elementos que nos remetem à Hogwats e o mundo criado por J. K. Rowling, mas o livro não se resume a isso, e nem tem a pretensão de ser uma cópia de Harry Potter. muito pelo contrário. Há diversos elementos originais nessa saga.

Novidades

Kvothe é um personagem forte e sofreu até conquistar o que conquistou.

A história de sua infância até o presente está cheio de reviravoltas que o transformou completamente. E é exatamente essa história que você anseia em saber.

Meu primeiro mentor me chamava de E’lir, porque eu era inteligente e sabia disso. Minha primeira amada de verdade me chamava de Duleitor, porque gostava desse som. Já fui chamado de Umbroso, Dedo-Leve e Seis-Cordas. Fui chamado de Kvothe, o Sem-Sangue; Kvothe, o Arcano; e Kvothe, o Matador do Rei. Mereci esses nomes. Comprei e paguei por eles. O Nome do Vento – capítulo 7 , Os primórdios e o nome das coisas

Há uma grande sacada do autor sobre o nome das coisas, mas isso é surpresa… Terão de ler apra saber.

O modo como Rothfuss retrata a magia é único. Ele mistura magia com leis da física e da química. isso é bastante promissor. Existem regras para conseguir fazer uma simpatia eficiente.

O Nome do Vento drunkwookieblog

Não quero estragar a surpresa, por isso evitarei de entrar no mérito específico das simpatias.

― A lei da simpatia é uma das partes mais básicas da magia. Ela afirma que, quanto mais semelhantes são dois objetos, maior é sua conexão por afinidade. Quanto maior a conexão, maior a facilidade com que eles se influenciam mutuamente. O Nome do Vento – capítulo 11, A conexão do ferro

Assuntos como drogas, demônios, roubos, magias com sangue e agiotagem são abordados sem medo.

A música

Um dos elementos mais bem abordados nesse universo criado por Rothfuss é a ligação de Kvothe com a música.

Ela é retratada de forma muito bonita e tem uma grande importância para motivar o protagonista. A descrição das músicas é tão detalhada que a torna quase palpável.

O Nome do Vento drunkwookieblog

É claro que eu tocava. Era meu único consolo.

[…]

Já inventara canções antes; tinha até ajudado meu pai a compor um ou dois versos musicais. Agora, porém, dedicava a isso toda a minha atenção. Algumas daquelas canções eu guardo comigo até hoje.

Logo depois que comecei a tocar… como posso descrevê-lo?

Comecei a dedilhar algo diferente de canções. Quando o sol aquece a relva e a brisa nos refresca, isso traz uma certa sensação. Eu tocava até encontrar a sensação certa. Tocava até a música soar como Relva Morna e Brisa Fresca. Tocava só para mim, mas eu era uma platéia exigente. Lembro-me de ter passado quase três dias inteiros tentando captar Vento Girando uma Folha.

No fim do segundo mês, conseguia tocar as coisas quase com a facilidade com que as via e sentia: Sol poente por trás das nuvens, Pássaro bebendo água, Orvalho nas samambaias.  O Nome do Vento – capítulo 19, Dedos e cordas

Eu não sou conhecedor do mundo da música, mas acredito que todos aqueles que tocam violão, piano ou qualquer outro instrumento musical, ou ainda de alguma forma conhecem ou estudam música, acharão o livro primoroso.

O Nome do Vento drunkwookieblog

Todos aqueles que lerem As Crônicas do Matador do Rei, e forem jogadores de RPG, imediatamente vão querer um personagem bardo.

Personagens secundários

Li algumas outras resenhas e vi que muitos elogiam o modo como o autor aborda outros personagens da série. Não houve um aprofundamento grande. Faltou algo.

Talvez se deva ao fato do modo como Patrick decidiu abordar a história, escrever o livro em sua maior parte em 1ª pessoa.

Esse tipo de abordagem tende a limitar um maior aprofundamento em personagens cujo protagonista não tem muito contato. Por outro lado essa abordagem nos aproxima do protagonista de uma forma visceral e  muito intima.

Há momentos em que você sente a dor de Kvothe, sente  sua frustração e sente sua raiva.

Claro que os personagens secundários tem suas personalidades bem definidas, e bem construída. Talvez o “efeito Martin” me faça exigir muito mais nesse quesito.

Mas é claro que vocês não deixarão de se encantar com a pequena e selvagem Auri, rir com Wilem e Simon, desejar Feila e se irritar com Denna.

Outros pontos positivos

Um outro ponto alto são os mistérios que a história nos traz. Eu, que sou fissurado nisso, começo a pensar em várias teorias sobre quem é o Chandriano? Por que o mundo está assim? Quem é o matador do Rei e por que ele matou o Rei?

Lendo apenas o primeiro livro, não é possível encontrar respostas para essas perguntas, mas é possível perceber que o tabuleiro está montado, e Rothfuss move as peças com maestria…

Os ávidos leitores Martinianos conseguirão perceber muitos fatos que parecem sem importância no início, mas que depois passam a ser importantes.

Alguns diálogos tocam forte o leitor. Eu acho isso essencial em um livro considerado uma grnade obra.

Kote demorou muito a responder.

― Eu tenho o hábito de pensar demais, Bast. Meus maiores sucessos vieram de decisões que tomei quando parei de pensar e simplesmente fiz o que me parecia certo. Mesmo que não haja uma boa explicação para o que fiz ― disse, com um sorriso tristonho. ― Mesmo que tenha havido ótimas razões para eu não fazer o que fiz. O Nome do Vento – capítulo 3, Madeira e palavra.

Pontos negativos

Não sei se há pontos negativos. É verdade que há alguns apontamentos a serem feitos, mas eu assumo… se tivesse lido esse livro há 10 anos atrás, estaria eufórico, assim como fiquei quando terminei O Prisioneiro de Azkaban e percebi que estava completamente fã de Harry Potter.

Hoje eu percebo alguns pontos que não me agradam em um livro, mas isso é extremamente pessoal e duvido que seja importante ao ponto de ser um problema.

Há um ou dois momentos no livro que custam a passar e você acaba por se cansar. Talvez a teimosia de Kvothe, a insistência dele por determinado assunto, acaba cansando. o clímax do livro não foi suficiente. Era de se esperar um cliffhanger mais profundo… É como se não tivesse um bom gancho para continuar a história. Eu esperava algo grandioso.

Criaturas fantásticas fazem parte de livros de fantasia

Mesmo assim sei que O Temor do Sábio guarda segredos que quero descobrir. Afinal, todos nós queremos saber o nome das coisas (do vento principalmente) e descobrir quem são os Chandrianos.

Leiam As Crônicas do Matador do Rei, e logo logo estaremos discutindo novas teorias sobre o final dessa incrível saga.

Quero tirar todos vocês da depressão “Cadê os ventos do inverno” e dizer que há vida entre um livro de Martin e outro.

Caso queira comprar O Nome do Vento, a livraria Cultura tem…

Nome do Vento
Compre aqui
O Temor do Sábio
Compre aqui

Fiquem com uma passagem de O Nome do Vento que eu achei sensacional…

A MAIOR FACULDADE QUE nossa mente possui é, talvez, a capacidade de lidar com a dor. O pensamento clássico nos ensina sobre as quatro portas da mente, e cada um cruza de acordo com sua necessidade.

Primeiro, existe a porta do sono. O sono nos oferece uma retirada do mundo e de todo o sofrimento que há nele. Marca a passagem do tempo, dando-nos um distanciamento das coisas que nos magoaram. Quando uma pessoa é ferida, é comum ficar inconsciente. Do mesmo modo, quem ouve uma notícia dramática comumente tem uma vertigem ou desfalece. É a maneira de a mente se proteger da dor, cruzando a primeira porta.

Segundo, existe a porta do esquecimento. Algumas feridas são profundas demais para cicatrizar, ou profundas demais para cicatrizar depressa. Além disso, muitas lembranças são simplesmente dolorosas e não há cura alguma a realizar. O provérbio “O tempo cura todas as feridas” é falso. O tempo cura a maioria das feridas. As demais ficam escondidas atrás dessa porta.

Terceiro, existe a porta da loucura. Há momentos em que a mente recebe um golpe tão violento que se esconde atrás da insanidade. Ainda que isso não pareça benéfico, é. Há ocasiões em que a realidade não é nada além do penar, e, para fugir desse penar, a mente precisa deixá-la para trás.

Por último, existe a porta da morte. O último recurso. Nada pode ferir-nos depois de morrermos, ou assim nos disseram. O Nome do Vento – capítulo 18, Estradas para locais seguros

O Temor do Sábio me aguarda
O Temor do Sábio me aguarda

37 comentários sobre “Vale a pena ler "O Nome do Vento"- A Crônica do Matador do Rei

  1. Oi Leandro!

    Eu disse que você ia gostar! Antes de eu comentar, algumas coisas que eu amei:

    “efeito Martin” – eu sofro disso também! Julgo muito a construção dos personagens e sua evolução. Personagens que não mudam, não evoluem, e não tem profundidade, e mil e uma camadas não me agradam. Um amigo meu, escritor, ficou meio bolado com o que eu falei das personagens dele, mas o motivo é esse: são estanques e superficiais.

    “há vida entre os livros de Martin” – AMEI! E é verdade. Infelizmente, como eu sou masoquista, e só gosto de séries, fico sofrendo do mesmo jeito. Por exemplo: agora estou devorando The House of Hades (aliás, leia Percy Jackson. Tem uma pegada mais infantil, mas como no caso de HP, os personagens são bem construídos e evoluem, e a trama fica mais sombria e sofisticada a cada livro. Principalmente a nova série, Os Heróis do Olimpo. Eu até prefiro essa a Percy Jackson e os Olimpianos. E não julgue os livros pelos filmes, que apesar do que todo mundo fala, eu adoro). Meu ponto é: tio Riordan com certeza vai terminar HoH com um cliff-hanger fodástico, e vou sofrer até outubro, mais ou menos, do ano que vem para ver como termina. E isso é um só, tem mais umas 3 que eu acompanho e ainda não terminaram. Incluindo As Crônicas do Matador de Rei.

    Quanto a este. Eu adorei. E não imaginava que ia me apaixonar tanto pelo livro como aconteceu. A narrativa é mesmo surpreendente, e acho muito bacana essa separação entre passado e presente, 1ª e 3ª pessoa. Infelizmente, como você disse, em 1ª pessoa a gente perde um pouco porque vemos tudo pelos olhos do narrador (no caso, Kvothe), mas ao mesmo tempo, nos aproximamos dele. E ele é realmente um personagem sensacional, com mil e uma nuances, mistérios e defeitos, como deve ser. Concordo que às vezes a narrativa fica cansativa, mas isso acontece com quase todos os livros (eu não consegui ler um que não tivesse seus momentos arrastados. ASOIAF tem horas que eu quero parar de vez). A ambientação é maravilhosa, e se você se espantou com a Universidade, espere que no segundo o mundo cresce, e fica ainda mais real, tudo é muito palpável. Eu particularmente, quando li, toda vez que cortava para a estalagem de Kvothe no presente, eu conseguia ouvir os sons (ou falta deles), e sentir o clima de incertezas que ronda o lugar e seu dono. Isso mostra o quanto a narrativa é poderosa.

    E você sabe que vai virar série de TV? Vi um tempo atrás, e espero loucamente por ela. Tomara que seja algo como GoT🙂 Só não sei quando vai sair, nem onde.

    Beijos!

    1. Concordo…existe uma vida fora do Martin…e os Livros do Percy são otimos, apesar de ser bem mais infantil….recomendo outro livro que gostei mto…e tbm não tem que esperar….as Crônicas de Dragonlance e os livros do Ciclo Terramar….mto bons tbm.

        1. Olha…tem mais um desta linha de fantasia que gosto mto..e tbm já saíram todos, o que facilita bastante. Ficar esperando o próximo livro é torturante.
          O nome da saga é DragonLance e tem vários livros também…mas só li os três primeiros. (Dragões do Crepúsculo do Outono, Dragões da Noite de Inverno e Dragões do Alvorecer da Primavera).
          Posso dizer que na minha linha de Top Fantasia ficaria em 4º., atras somente de O Hobbit + Senhor dos anéis, Cronicas do gelo e fogo, O nome do vento.

    2. Fernanda e Leandro, feliz Natal aos dois!
      Dirijo-me aos dois por ser mais fácil, pois acompanho seus blogs com a mesma expectativa de quem só espera coisas boas, e nunca me decepciono.
      Agradeço muito a dica do Kvothe, passei as últimas semanas devorando aos poucos os dois livros e agora estou no aguardo de mais um! Já é o terceiro que espero, junto com o GRRM e o Ken Follett (O inverno do mundo).
      Acabei de ler também o post da Arya. Foi realmente um Grande presente de Natal! Parabéns. É um grande prazer viajar por suas teorias, e essa foi realmente demais!
      Um grande abraço,
      Consuelo

  2. O livro realmente é sensacional! Comprei o livro pela capa bonita e felizmente fui surpreendido. Na minha opinião a narrativa é o ponto forte da obra, muito bem construídas e fluída. Tirando alguns momentos monótonos que você citou (e que em toda obra tem) é um livro espetacular.

    Já adianto que o segundo livro também é muito bom e sofrerá, assim como eu na espera do terceiro!

  3. Ola Drunk.
    Novamente parabéns pelo Blog….Um notório parabéns..pois como não tenho paciência, admiro quem o faça….e vc escreve mto bem.
    Que bom que quebrou seus conceitos e leu este livro, gostei demais também…Li em um piscar…E recomendei para vários amigos, que tiveram certa restrição também.
    Estou ansioso que leia o próximo livro para debater algumas teorias.
    Quanto ao paralelo ou comparação com outro livros, vejo mta coisa que já li em contos de Ursula Le Guin, principalmente no Ciclo Terramar, o primeiro se não me engano é Feiticeiro e a Sobra…Sempre achei que o HP tbm foi fortemente baseado nestes livros. O melhor que todos já saíram e não precisa esperar um ano para o próximo.
    Quanto a musica, que nunca fui mto chegado em instrumentos, até comecei a fazer aulas teóricas, de violão e de trompa, de tanta vontade de ter aquele amor escrito no livro. Mas descobri que não é minha praia mesmo.
    E quanto as teorias…acredito que sei que matou o Rei….o Segundo livro tbm é mto bom e encaminha bastante a historia.
    Mas uma vez parabéns…e não aguardo de suas teorias .

    1. a outra coisa que acho mto boa nestes livros….lembro do filme “quem quer ser um milionario” ….as coisa acontecem na vida dele tem um significado futuro mto grande…as experiencias traduzem as decisões dele….mto bom mesmo.

  4. Vou ler. Também já tinha visto a capa e achado bonita, mas eu tenho o péssimo hábito de julgar o livro pelo título. Mas depois de ler o post decide ler ( confiando no seu bom gosto, espero que não me arrependa). Eu estava mesmo procurando um livro
    pra ajudar a controlar a ansiedade enquanto espero “Os Ventos Inverno”.
    Abs. Continue o bom trabalho.

  5. Parabéns pela resenha, eu amo demais essa saga e sinceramente é uma das melhores coisas que li desde Harry Potter…

    A minha única crítica sobre a obra é sobre a onipotência do Kvothe, acho que o autor o tornou muito “o fodão” que consegue resolver qualquer situação difícil, nas vezes que ele faz uso meramente da inteligência eu acho sensacional, ok, mas o fato dele ser “o mais inteligente, o músico mais habilidoso, o cara que consegue fazer qualquer coisa na ficiaria, o cara com o alar mais poderoso, o maior estudante que a Universidade já viu” algo meio exagerado, me incomoda principalmente depois de algo que ocorre no Temor do Sábio😛

  6. Caro drunk, você certamente leu As Crônicas de Artur, que conta a saga do bravo Derfel. Nele, Bernard também usa do expediente “história dentro da história”, seu inception literário, com alternância de 1a e 3a pessoa. Grande abraço! Ps: sigo ansioso por um post sobre a Arya.

  7. Antes de ler tua resenha não tinha dado muita bola para essa trilogia, apesar de meu primo ter me indicado, mas agora já estou louca para ler. Vou ter que esperar um pouco já que no momento estou lendo o primeiro livro da saga do Robert Jordan – O Olho do Mundo.

  8. Terminando de ler o Nome do Vento pro indicação do próprio blog, algo que achei legal foi o modo como a “magia” e explicada no livro muito bom mesmo, terminando O Nome do Vento e correndo para o Temor do Sábio. As Crônicas do matador de rei incrível. E muito obrigado pelas indicações dos livros Drunk.

      1. Vai ser demais se vc fizer assim. Existem pontos a serem abordados e to louco para debater com alguém sobre essa saga. Minha irmã é louca por livros lê de serie em serie mas não se interessa no estilo George R.R. Martin pq acha muito cansativo e coisa e tal mas nunca tentou de fato ler. Creio que consigo ingressá-la na onda do nome do vento por ser leve e passional, digamos assim. Tudo que é romance ela já leu e para ter uma ideia esta lendo livros de vampiros e lobisomens nada contra, mas quando “arsenal” dela acabar. Introduzo a cronica do matador do rei ou até Game of Thrones e depois vai com certeza entrar neste site para saber mais…kkkkkkkkk mal posso esperar.

  9. olha q bom q bv começou a ler a série!esta entre os prediletos! vc ainda verá grandes coisas de todos os personagens!prepara-se para o final,pois irá te surpreender e a partir do terceiro,teremos a resolução d vd por trás do passado e das lendas e os misterios envolvendo tudo,digamos q será bombastico!

  10. Kote sozinho me fez deixar de lado as cronicas de gelo, não estou preocupado com o Martin e sim com o 3 livro do matador do Rei. E se virar série, jamais assistirei, nada vai fazer eu mudar minha imaginação sobre o que se passa com o garoto .

  11. Parabéns pela indicação do livro o Nome do Vento (A Crônica do Matador do Rei)! Eu amo essa série! Dos melhores que já li! Eu sempre indico para os amigos e amantes da leitura> Agradeço demais! E na expectativa pelo terceiro livro dessa série incrível e muito bem escrita! Abçs

  12. Existe vida entre um livro e outro do GRR Martin… mas ela é áááááárdua!! Vou dar uma olhada nessa série que o Pablo Alejandro indicou – Dragonlance – e espero, do fundo do coração, que ela me prenda, amarre minha atenção. Porque eu fico a ponto de roer os dedos quando lembro que “Os ventos do inverno” só chega (talvez?) ano que vem. E esse ano apenas começou… inferno.
    Sobre “As crônicas do matador do rei”, meu marido leu os dois livros e gostou bastante. Na época ele ia me contando a história antes de dormir, no caminho pro trabalho e em outros momentos em casa, mas eu não me lembro muito da história. Lembro sim que ele ficou fulo por causa do terceiro livro (que não desembarcou por aqui ainda). Até fiquei curiosa pra ler a série depois de ler este post, mas o que mata é que FALTA O TERCEIRO LIVRO!!! E aí?? O que eu faço quando acabar “O temor do sábio”??? Arranco a espuma do sofá com os dentes?!?!?!?!?!

  13. Estou lendo “O nome do Vento” e estou adorando, Patrick é um gênio, adoro a forma detalhista que ele escreve, e além do mais, sou muito parecido com o personagem Kote, ótimo na vida profissional, mas um desastre para com as mulheres^^, estou indicando para meus amigos amantes da leitura e todos estão gostando. muito bom!!!!!!!!

  14. Meu caro,

    sua descrição do livro é PERFEITA. Já li os dois volumes da série e aguardo ansiosamente o ultimo. Parabéns pelo trabalho, pois me fez relembrar do bom e velho Kvote que assim como você aprendi a amar como se ele realmente existisse.

  15. Olá
    Drunk, cara eu adoro muito seu blog (site agora). Já li ‘O Nome do Vento’, porém achei ele um pouco sem enredo. Digo o autor tem uma narrativa incrível, um mundo fantástico, porém ele estragou o clímax da saga anunciando os fatos do Kvothe logo no início do livro. Acho que essa é minha impressão negativa que me faz pensar em não continuar lendo a saga, pois em linhas gerais já se sabe todos os atos e fatos que o protagonista enfrenta, como por exemplo (SPOILER ALERT).
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    ..
    ele ter sido expulso da Universidade.
    (FIM DO SPOILER).
    .
    .
    .
    .
    .
    .

    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .

    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .

    É algo narrado no livro dois, salvo engano, e que Patrick antecipa no primeiro.
    De resto acho o mundo criado por ele fantástico, personagens fantásticos e narrativa incrível descrição perfeita e um passado magnífico para Kvothe, porém há a quebra do enredo na narrativa.
    Enfim está de parabéns. E cara… Já leu ‘Sob a Redoma’? Se ainda não assim que as férias chegar leia-o. Stephen King arrebentou nesse livro.
    Abraços e continue com esse trabalho maneiro que você tem.
    OBS: sou estudante de Direito também🙂

  16. É realmente um livro excelente, e tem um protagonista muito fera, que para mim é o que faltava nas Crônicas de Gelo e Fogo. No entanto, Martin escreve melhor.

  17. Acho CDMR (cronicas do matador de rei) impecável, é um livro que é de fácil leitura porém não quer dizer que você entenda tudo… ou pelo menos tudo que Rothfuss escreveu.
    É incrivel como um cara que diz logo no começo de uma trilogia, os seguintes fatos aconteceram na vida do peronagem… consegue te manter preso e ainda te surpreender. O livro de Rothfuss não é sobre eventos em si, mas como esses eventos se desenrolaram.
    Quanto mais vezes você lê, mais percebe como não tinha entendido a importância de certos personagens, passagens ou palavras.
    A grande mágica de Rothfuss é o jogo de palavras. Ninguém escolhe tão bem as palavras para escrever como ele. E elas tem importância fundamental no enredo (uma pena que se perde tanto na tradução).
    São tantas histórias dentro do livro e elas todas se entrelaçam de maneira brilhante: o passado do protagosnista, o presente dele, a interrelaçao do passado com o presente, os contos, anedotas, mitos e musicas.. tudo no livro está relacionado.

  18. Hey……..

    Agora eu preciso de um “temor” emprestado, tá?!!

    Uma das coisas que mais me impressionou é como o prólogo e o epílogo estão em prefeita sintonia… Você vai se aprofundando na história e acaba se esquecendo às vezes de como é uma história triste.
    A forma como Kvothe relembra de sua história mostra uma concepção sólida da da sua personalidade. A narrativa em 1ª pessoa deixa a história carregada de sentimentos, turbulentos por sinal.
    Achei encantadora a forma explícita de demonstrar a criança interior que ainda mora dentro de um homem que “silencia como uma flor a espera de ser colhida”.
    Confesso que de início, me irritava cada vez que lia um “interlúdio”, mas com o passar das páginas, fui notando como isso é importante para situar o leitor a realidade, puxando seus pés de volta ao chão, e, o que é mais triste, mostrando a situação depressiva do Kvothe atual.
    Os capítulos que se passam na Marco do Percurso são reflexivos e profundos e nos deixam cientes de que apesar de tantos fatos grandiosos e gloriosos que já fizeram parte da vida da personagem, não é esse o cerne da questão…. o autor qse que nos grita a importância das sutilezas.
    Eu assumo aqui que fiquei com o coração na mão de vê-lo relembrar do passado e se enxergar, ao contraponto. Fico imaginando de tudo que este homem teve que abrir mão e porque.
    Oh, como são longas as noites atuais.
    Assim como acho que compreendo um pouco a inconformidade de Bast.
    E é notável o seu mergulho particular quando conta sua história desde bem pequeno e, nesses trechos da narrativa, consegue transmitir alegria e jovialidade. Assim como seu relato dos tempos de Tarbean são obscuros e melancólicos.

    BTW, acho que Tarbean tem uma importancia gigante… As histórias de Skarpi, principalmente.

    Sobre as outras personagens…. Auriiiiii… fofa…… apaixonei….Trapis, um pai, um colo, Deenna, que uma hora me irritava, outra hora me divertia….acho que foram apresentados o suficiente. O unico que achei que ficou devendo foi Ben…

    Enfim… me agradou bastante.
    Parabéns ao autor que conseguiu mostrar até aqui um herói humano, sentimental e guerreiro.
    Pode sim ter uma leveza infanto-juvenil em algumas partes, e pode parecer supercifial por não entrar em vários personagens, mas desde o princípio foi deixado claro que essa era a história de um homem… em três partes…

Obrigado!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s